–> Freixo não é Gabeira!

Foi essa a frase que mais ouvi hoje, sobretudo nas tevês cobrindo a boca de urna e a apuração dos votos. E não há como discordar. De fato, Marcelo Freixo não é Fernando Gabeira. Freixo não lutou na guerrilha, não sequestrou embaixador, não foi exilado, não escreveu livro. É certo que ambos foram às telas do cinema, mas só o segundo chegou ao Oscar, não é mesmo? Marcelo Freixo é jovem, Fernando Gabeira é velho. Ambos são de pequenos partidos, mas Freixo está à esquerda e Gabeira, vejam bem, está no PV. De fato, Freixo não é Gabeira. Não fechou coligação com qualquer um em nome de pressionar o segundo turno contra Eduardo Paes e jamais apoiaria pessoas como José Serra.

Conheci Freixo quando, de São Paulo, me surpreendi com uma CPI das milícias. Sabem como é, a fama do Rio de Janeiro é péssima por aqui, afinal, lá a cidade é violenta, tomada pelo crime e aqui corre tudo às mil maravilhas, não é mesmo?! Portanto, a figura daquele jovem político engajado numa verdadeira guerra em busca de justiça e liberdade para a população mais pobre me chamou muita atenção. Meu contato com Freixo foi esporádico desde então: após à CPI, novamente voltei a ele quando foi o segundo deputado estadual mais votado do estado mesmo estando num partido pequeno; foi aos cinemas em Tropa de Elite 2, até que então, foi escolhido como o candidato do PSOL à prefeitura do Rio de Janeiro em 2012.

Então comecei a acompanhar mais de perto. Vi a entrevista no Roda Viva, a entrevista a Juca Kfouri, páginas na internet. Juntei-me aos que acreditam que “Nada deve parecer impossível de mudar” e passei a acompanhar a construção da Primavera Carioca. A cada dia dessa campanha me surpreendi mais com o que Freixo dizia. Do debate na Rede Bandeirantes ao debate na Globo, passando pela sabatina na Folha e as entrevistas nas mais diversas mídias. Nunca vi candidato tão preparado ao mesmo tempo que tão espontâneo. Desde “Pelo visto o prefeito continuará silenciando sobre o metrô.” até “Que sorte hein?!” (quando, pelas regras do debate, não poderia fazer uma segunda pergunta a Eduardo Paes), passando por todas as vezes em que disse “Não estou insinuando, estou afirmando e os fatos provam.”. Freixo provou ser inenarravelmente superior a Paes, em todos os sentidos. Só não em cara de pau, máquina partidária e eleitoral, partidos (quaisquer) na coligação e dinheiro que sabe-se lá de onde vem (na verdade, todos sabemos) financiando as campanhas mentirosas.

Mas Freixo teve, além e apesar de tudo, a campanha mais bonita que eu já vi, talvez (pra não dizer com toda a certeza possível) a campanha política mais bonita já feita desde as diretas (que eu não vi, mas já entraram para a História), guardadas, obviamente as devidas proporções e motivações de cada uma delas. Da citação de Brecht à simplicidade de fitas amarelas e o exemplar uso das redes sociais. 10 dias na cidade do Rio de Janeiro, entre um arquivo e outro, me fizeram experienciar algo que jamais pensei viver. Aquele tipo de coisa que a gente que estuda História (mas não só) lê nos livros e pensa: “Eu queria estar lá.”. A cada caminhada pelo centro eu só pensava: “Quero votar no Freixo!”. Já que, por enquanto, não dá, contentei-me em andar com adesivos e fazer campanha para ele com as pessoas que encontrava por lá. Vê-lo falar no centro da cidade, em cima de algo como um banquinho/caixote, simples, com um sorriso no rosto e a firmeza de quem tem a razão tinha sido o ápice de toda essa trajetória de acompanhamento meu da figura de Freixo.

Tinha sido, até que, já de volta em São Paulo, assisti aos vídeos e vi as fotos do Comício na Lapa. Aquele foi o momento em que eu mais quis na vida morar no Rio de Janeiro e, vejam bem, o clichê pôr-do-sol no Arpoador já tinha me feito dizer essa frase inúmeras vezes. Em nenhum momento senti tanta emoção de ver algo como aquele comício. Foi, provavelmente, a primeira vez que vi um político chorar sinceramente e, com certeza, a primeira vez que chorei com política. Chorei de novo com o último programa que foi feito para o horário eleitoral e com o vídeo do abraço no Maracanã, mas aí virou rotina.

É, como imaginei (e eu vinha imaginando a postagem que faria ao fim do primeiro turno no Rio de Janeiro há bastante tempo) o texto ficou bem romântico. Não poderia ser de outra forma mesmo, há certa porção de amor e paixão, que passam por muita admiração e confiança na figura de Marcelo Freixo, que ainda é professor de História, companheiro de classe e estudo. E, de qualquer forma, há algo de romântico na esperança.

Desde a redemocratização, somente um prefeito foi eleito em primeiro turno na cidade do Rio de Janeiro, foi ele César Maia (2004) e sua gestão desastrosa que, no entanto, ainda não foi suficiente para que os cariocas aprendessem. Talvez, o façam com a continuidade do desastre que é a gestão de Paes. Que essa campanha linda e esses quase 30% dos votos sirvam para impulsionar nova campanha de Freixo e a difusão da ideia de que a política é para todos e deve ser por todos. Sobretudo, que existem sim políticos dispostos a agir em nome de todos.  Marcelo Freixo é o verdadeiro homem novo para um tempo novo. Marcelo Freixo representa a esperança.

Freixo não é Gabeira. Ainda bem!

Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

7 respostas para –> Freixo não é Gabeira!

  1. DIego disse:

    2016 PODE CORRER MAIS NÃO PODE SE ESCONDER. HE É FREIXO, HU É FREIXO!!!!!

  2. Gustavo Queiroz disse:

    Só uma correção: Freixo é Deputado Estadual. 😉

  3. Marilia disse:

    Parabéns pelo lindo texto, Mariana! Eu, que vi a campanha das DIretas bem jovenzinha, cheia de esperança, hoje continuo… cheia de esperança! Graças a pessoas como Freixo e como vc: não estamos sozinhas. Nunca. Abraço carinhoso!

    • Mariana Rosell disse:

      Obrigada pelo elogio, Marilia. A campanha de Freixo mostrou que é possível fazer diferente, fazer política diferente. Enquanto houver pessoas que sonham e têm disposição para lutar tudo pode mudar!
      Até. =)

  4. Marilia disse:

    Ah! Eu tenho a idade de Marcelo Freixo (45). Obrigada pelo jovem! (nem tão jovem…) hahahahaha!!!!

Deixe uma resposta para Mariana Rosell Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s